Rosana Chrispim: Seis Poemas Escolhidos

por Rosana Chrispim


 
Rosana Chrispim, poeta atualmente vivendo em Valinhos, SP, nasceu em Carandaí, MG, em 1958. Formada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo (1984), trabalhou por quase 30 anos como Produtora Gráfica. Integrou o Grupo Livrespaço de Poesia, Santo André, SP e, em conjunto com os demais integrantes, publicou Coletânea Livrespaço II, 1984, Literatuando - Coletânea Livrespaço III, 1985, Subvertida Palavra - Coletânea Livrespaço IV, 1988, e Sete Versus Sete (E se resolvermos falar de amor...) - Coletânea Livrespaço V, 1990. Foi uma das editoras da Revista Livrespaço, 1992-1993, que ganhou o Prêmio APCA como melhor realização cultural de 1993. É de 1996 a plaquete Poética da Essência. Semelhanças, o primeiro livro solo, foi publicado em 1986 e Entretempo, o segundo, em 2003. Publicou Caderno de intermitências em 2017 pela Editora Patuá.  
 
 
 
 
resumo

 
antes
     rebeldias
 
depois
     convicções
     certezas planos
     ilusões
 
agora
     dúvidas
     equívocos
     medos (em profusão)
 
         a impotência
         escancarada
 
 
 
_
 
 

 
(in)ferimento

 
o rio se encheia
e adoece o dia
as margens
vontades
 
parece de repente
         não é
 
carrega
         traz e leva
fés e podridões

 
abarrotado de
(in)certezas e
dores inúteis
afirma
          mineiramente
o engano de querer
dominá-lo
a ilusão de poder
decifrá-lo
 
sem mudar o curso
 
 
 
_
 
 

 
penúria

 
quando se não quer
ver
a luz (é) cega
                   fere
                   queima
                   obriga abrigo
           ilusão
           permeada
a sombra
conforta e
desguarda

 
quando se não quer
saber
a lucidez
hiberna
nos sótãos
          a descoberto

 
 
_
 
 
 
 
fatalismo

o abismo cada vez
mais profundo
o corpo cada vez
mais lasso
        brinco
um pé na borda
um pé no vazio
        confio
na repetição
no exercício
        desafio
o conhecimento
o desconhecido

a prática a confiança o erro
        (que agonicamente virá!)

...

o fundo
definitivamente


 
 
_
 
 

 
charco

 
sobre mares de lama
poucos
escolhidos logram
andar

 
deuses criados à
imagem e dessemelhança

 
nenhum espelho pode
mostrar-lhes
a índole face gana

 
nenhuma água é capaz
de lavar-lhes o rosto
as mãos

 
 
_
 
 
 
aventura

 
mares de inundação
mares de acolher

 
marés e mares de mistério
          atração hipnose fascínio

 
incautos
dublês de navegantes
e peixes
nos lançamos às águas
sem rede ou prece

 
não basta
de nada serve
acatar os ventos
conhecer as cartas
saber nadar
 
mares de pulsão
mares de naufragar
 
imperiosa sorte
 
_

 

 



Postado originalmente no dia 4 de Agosto de 2017 às 09:40

Leia também



O exílio quântico

por Ingrid Morandian



Leia +