Ernesto Moamba: Sentença e outros poemas

por Ernesto Moamba


Ernesto Moamba é conhecido também como Filho da África, nasceu a 04 de Agosto de 1994, em Moçambique-Cidade de Maputo. Concluiu o seu nível Pré-Universitário em 2014, hoje formado em Jornalismo e Contabilidade. Poeta, Actor e escritor moçambicano iniciou com apresentação dos seus trabalhos literário (poesias, contos e crônicas) nas escolas e mais tarde resolveu divulgá-los em redes sociais jornais e revistas culturais nacionais e estrangeiras. É membro do Círculo dos Escritores Moçambicanos na Diáspora-Sede em Portugal. Membro do Grupo Intercambio dos Escritores da Língua Portuguesa e Presidente do grupo Lusofonidades-Divulgando literatas lusófonas.

 

 


SENTENÇA
(À todas mulheres do mundo)

Minha mãe
Sou terra seca,
Bebendo das águas dos rios
Que defecas dos teus olhos feridos...
Mãezinha.



 JULGAMENTO 
 (À minha África Esquecida )

No estômago da minha mãe
Falta-me tudo, menos nada...
Os rolos e embrulhos de tripas, o canal digestivo,
E as veias...Para passagem e drenagem de sangue
Para dar vida ao meu corpo covarde
Enlatado de fome e sede.



 [...]
(Aos escribas do Séc. XXI)

Para te tornar grande Poeta ou Poetisa, importa vomitar tudo que reside dentro do seu coração,
Seja sangue ou próprio pulmão



 [...]
(In Memória das vítimas de Ciclone)

Vou-me pelas ruas.   
de estomago vazio e crua
Todo triste e amarrotado
Sedento e soterrado de lama

Colher restos de tristeza
abandonados nas malditas,
da minha preciosa cidade.



Mãe!

Na casa do meu Pai,
Falta-me tudo, menos nada

Falta-me o milho e farinha
O solo, a água, as enxadas e charuas,
Menos a carne e sangue
Para regar-me de tristeza e luto

Sim,
Falta-me a vóz, a cor,
E o escudo
Para libertar-te das algemas
Minha África esquecida.



Ernesto Moamba
[Filho da África]
© Todos os direitos reservados



__

 

 



Postado originalmente no dia 28 de Maio de 2020 às 22:13

Leia também



Poeta Acidental

por Sara Athouguia



Leia +